Um Passeio Pela Origem do REAA no Brasil

08/06/2016 18:48

Hoje o Rito Escocês Antigo e Aceito é o mais difundido no Brasil, porém grande parte dos Maçons que o praticam não sabem sua História ou quando chegou ao Brasil. Para suprir essa lacuna, farei um breve relato de sua origem, passando pela sua introdução em nossas terras, o primeiro ritual impresso e os números hoje.

No início Séc XVIII após uma revolução na Escócia, os Stuarts ( a família real escocesa a época) se exilou na França. Como é sabido, essa família tinha um grande apreço pela Maçonaria, não é de se estranhar que Charles Radclyffe, membro desta corte e secretário do príncipe Charles Edward Stuart, fundasse a primeira loja escocesa em solo francês que logo ganhou popularidade nesse país o que deu origem ao Rito de Heredom. Ainda na França, surge o Rito Escocês baseado no Rito de Heredom, o qual, mais tarde, seria organizado nos Estados Unidos da América, na forma como o conhecemos hoje, dando origem ao Rito Escocês Antigo e Aceito. O irmão e pesquisador Kennyo Ismail (2016), em matéria sobre o REAA conclui: “Temos um Rito de raízes escocesas, desenvolvido na França e concluído nos EUA”.

Conversando com o Irmão Max Hagger, descobri que, antes ainda, de nosso célebre Irmão Ge Acayaba de Montezuma, uma carta de autorização foi expedida, em 29/08/1822, pelo supremo Conselho da França para o funcionamento do REAA, aqui no Brasil. Esta carta foi dada ao Irmão João Paulo dos Santos Barreto, importante militar da época, tornando-o, em tese, o verdadeiro pioneiro do Rito no Brasil. Apesar disso, PROBER (1996) afirma que não se sabe em qual rito trabalhava a loja " Educação e Moral", instalada por João Paulo. O que não quer dizer que não existiam Lojas escocesas. 

Carta Patente do supremo conselho da França de 1822
Fonte: Acervo de Max Hagger

De toda forma, o REAA só daria os primeiros passos, no Brasil, no ano de 1832 com a carta de autorização expedido pelo Supremo Conselho dos Países Baixos (hoje Bélgica), trazida aos brasileiros por Montezuma. Este rito ganharia força e vigor em 1834 quando o Grande Oriente do Passeio (para saber mais sobre esta obediência acessar parte 6 deste trabalho) o adotou como único. 

Vale ressaltar que os primeiros rituais escoceses em terras Tupiniquins (Guia dos Maçons escocezes dos 3 graos Symbolicos) foram feitos por iniciativa própria da tipografia “Seignot & Plancher”. Joaquim da Silva Pires (1996), em sua obra “Rituais Maçônicos Brasileiros”, chega a cogitar a hipótese deste Ritual ter sido encomendado pelo Grande Oriente de Montezuma.

Pagina digitalizada do Guia dos Maçons Escocezes de 1834
Fonte: Acervo do Museu Maçônico Paranaense.

Enquanto nos EUA menos de 1% das lojas trabalham no REAA, segundo Luciano Rodrigues e Rodrigues (2016), a popularidade do REAA no Brasil cresceu exponencialmente, tornando-o muito mais popular que todos os outros ritos praticados por aqui. Falando em números, na obediência a qual pertenço (GOIRJ), cerca 60% das lojas trabalham no REAA.

Os números expostos aqui mostram que o REAA é mais popular entre os maçons Brasileiros. O que não significa que é melhor ou pior que Rito A ou B, afinal todos estão recheados de profundo simbolismo formando homens melhores desde os primórdios da Ordem. No final das contas um dos grandes baratos da Maçonaria é voltar ao passado e remontar a história e tentar entender os dias de hoje.

Autor: Cloves Gregorio
Revisão: Aylton Cordeiro Neto

Bibliografia

 

Voltar

Tópico: Um Passeio Pela Origem do REAA no Brasil

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário

Contato

Maçonaria Tupiniquim

© 2014 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátis

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!